Google+ Estórias Do Mundo

domingo, 22 de fevereiro de 2015

O Ovo ou a Galinha

, em Natal - RN, Brasil


Estou sentado na sala dos meus pais. Minha mãe acabou de fazer uma pequena cirurgia e precisa de ajuda com o ferimento e com as tarefas diárias que ela não pode fazer enquanto recupera-se. A televisão está ligada na Sony, meus pais tem a Claro TV que meu irmão assina para eles, mas eles só assistem dois canais, a Canção Nova, minha mãe, e o SportTV, meu pai. Somente quando eu chego por lá que outros canais são visitados e que eles assistem animados, minha mãe gosta da programação da GNT, por exemplo, com aqueles programas de culinária para jovens yuppies, e meu pai gosta do Discovery e The History, mas gosta especialmente de programas sobre decoração e arquitetura do Discovery Home and Health. Mas ambos me criticam quando eu assisto minhas séries, dizem eles ser uma perda de tempo, mas ver a terrível programação infantil do canal católico ou um jogo de futebol que já sabemos o resultado de um time desconhecido parece ser bem importante. Eu respondo: "Assisto TV para me divertir, não para aprender".
Voltemos a Sony. Neste verão, o tema da campanha para reforçar a marca do canal é sensualidade, e em uma de suas chamadas um conjunto de cenas de beijos aparece, entre eles um de o Diário de Bridget Jones e outra de American Pie, ao qual quero me deter. 









São duas coisas que quero me deter, na verdade. As cenas são claramente bem diferentes, e é interessante ver isso, sobretudo na sequência com o Seann William Scott e o Jason Biggs, em que duas meninas se beijam antes, e também na que atua Reneé Zellweger, que o beijo entre duas mulheres pode e deve ser encarado com naturalidade. O Diário de Bridget Jones é voltado para um público feminino que aprende com ele a se comportar na situação em que uma outra mulher tenta beijar você, Bridget reage com calma e tranquilidade. Ela demonstra se sentir lisonjeada, mas que infelizmente ela não sente a mesma atração. Ela pede desculpas, como pediria a um homem que também estivesse interessada nela e o sentimento não fosse recíproco. Na outra ponta, em um filme voltado para garotos adolescentes heterossexuais cujo tema principal é perder a sua virgindade, o beijo entre dois homens é motivo de nojo, e só acontece por causa da possibilidade de participar da fantasia repetida exaustivamente do sexo com lésbicas. O que é ensinado é tenha nojo. Nojo de fazer, nojo de ver, porque aqueles que assistem em cena estão constrangidos, e o motivo para as meninas pedirem o beijo é apenas para humilhá-los também. O que se aprende é que aqueles que beijam homens devem ser humilhados e assisti-los se beijar é constrangedor ou motivo de piada.
De onde vem isso?, é a primeira pergunta, em seguida questionamos: existe uma diferença de preconceito para com lésbicas e para com gays? Na verdade não, mas existe sim uma diferença de lugar social. Os especialistas no assunto costumam explicar que lésbicas, como mulheres que são, foram colocadas pela indústria pornográfica como objetos de desejo. Orgias, menage à trois, fantasias de haréns que colocam o homem, garanhão, exercendo seu poder sobre um sem-número de mulheres ao mesmo tempo e sendo viril o bastante para dar conta de todas elas são temas frequentes dos filmes adultos. É daí que surgiu o prazer visual que homens heterossexuais aprenderam a sentir ao ver duas mulheres fazendo sexo. Eles sentem que serão convidados a qualquer momento para participar daquela situação e trazer seu poder sobre aquelas duas mulheres dando-lhes o falo que faltava aquela relação. A fantasia é de óbvia subjugação das duas, de controlar seu corpo e seu prazer porque somente o homem pode ter prazer através do seu pênis. Já do lado masculino, não preciso explicar de onde vem o nojo, o constrangimento, a humilhação não é?
Ah, mas isso não causa resultado? Ai entra o outro tema da minha postagem. Minha mãe estava sentada em frente a televisão quando a Sony exibiu sua chamada. Eu já tinha visto várias vezes antes, despertando em mim somente o questionamento de porque a relação entre o beijo feminino e masculino são distintas (obrigado Sony, btw), mas ela não havia percebido, foi quando ela reparou dois homens se beijando. A reação foi imediata.
- Que pouca vergonha é essa dentro da minha casa?!?
Eu me assustei. Ela estava alterada.
- Desligue a TV! Mude de canal! Eu não quero nada disso dentro da minha casa!
Eu estava paralisado. De susto.
- Mude de canal imediatamente.
Eu não fiz nada, foi tudo muito rápido, e eu somente entendi o que estava acontecendo minutos depois. Ela bufava. Eu não discuti, mas também não mudei de canal, deixei lá onde estava, e ela, sei lá, esperava uma discussão comigo que não veio. Mas levantei, vi que era hora de dar-lhe o remédio, dei, e disse que precisava ir em casa tomar um banho.
Deixei-a sozinha em casa, mas vejam: ela não viu as mulheres se beijando. Não causou nenhuma reação nela, e minha mãe não assiste, acho eu, filmes pornôs, o que significa que este estrago causado pela indústria de filmes adultos já é tão profundo que alcançou a minha mãe tornando-a insensível ao beijo feminino, mas ainda capaz de demonstrar tanta revolta com um beijo entre homens (se vocês estão preocupados comigo, não fiquem, eu nunca namoro, lembram? Não tem chance dela me ver beijando alguém em hipótese alguma), porém também existe uma outra opção: que essa permissividade com as lésbicas seja anterior à pornografia, que ela já tenha passado para o erotismo heterossexual como um todo porque já existia antes, mas de onde? Historicamente, inclusive, a homossexualidade feminina tem sido bem mais perseguida que a masculina, forçada sobretudo a uma invisibilidade social com o silenciamento de suas protagonistas, o que não aconteceu com os homens que se dedicaram ao amor que não pode ser nomeado, como dizia Oscar Wilde, afinal ele não podia ser nomeado, mas não impediu que o próprio Wilde escrevesse a maior carta de amor da história. É uma questão de o ovo ou a galinha, quem veio primeiro: a permissividade com as lésbicas ou a pornografia?

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Realidades Paralelas


Como eu queria que fosse:

- Oi, Foxx. Bom dia!
- Bom dia, meu lindo, dormiu bem?
- Muito bem. Adorei te ver ontem...
- Eu também.
- Espero poder te ver mais vezes.
- Com todo o prazer.
- Então, próximo sábado você está livre?



Como poderia ser:

- Oi, Foxx, desculpa, prometa que não vai me odiar, mas eu não tive saída. Tive que encontrá-los.
- Tudo bem, lindo, sem problemas! Dormiu bem?
- Dormi sim. Mas, voltando ao assunto, deixe-me compensar você, vamos jantar hoje?
- Claro, com todo o prazer!



Como foi:

- Oi, Foxx, desculpa, prometa que não vai me odiar, mas eu não tive saída. Tive que encontrá-los.
- Tudo bem, mas o senhor fica me devendo hein? Dormiu bem?
- Honestamente, estou bem cansado, vou dormir o resto do domingo todo.
- Ok. Bom descanso então.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Os Mestres Egípcios

, em Natal - RN, Brasil
Para mudar um pouquinho, e porque também não tenho nada o que escrever mesmo, mostro meus outros talentos. Os desenhos são todos meus, feitos com base nas ilustrações egípcias que decoram as paredes das pirâmides. E como aprender alguma coisa não faz mal a ninguém: é bom que vocês saibam que os egípcios não tinham deuses antropozoomórficos, isto é, com corpo parte animal, parte humana, estas imagens são palavras, na verdade. Um homem com cabeça de falcão é a palavra Hórus, uma mulher com cabeça de gato preto é a palavra Bastet, um homem verde (a cor da morte) é a palavra Osíris. Nenhum egípcio acreditava que Hator andava por ai com chifres de vaca na cabeça e o sol brilhando acima dela ou que Rá tinha um sol com uma serpente em cima de sua cabeça. Numa linguagem pictográfica é assim que se representava os nomes próprios, que se identificava um indivíduo único. A leoa unida a figura de Sekmet revela sua ferocidade, o chacal unido a Anúbis revela a sua ligação com os corpos em decomposição (já que o animal se alimenta de carniça). Agora, a pergunta que não quer calar é: quem foi o historiador idiota e preconceituoso que viu isso e imaginou deuses com cabeça de animais?


Sekmet, a poderosa, deusa da vingança.

Bastet, deusa da alegria, música e dança.

Hathor, deusa do amor e do nascimento.

Thot, deus da lua e da escrita.

Ptah, deus da sabedoria, ciência e arte.

Ra, deus criador do mundo, o sol ao meio dia.

Anúbis, deus que guia os mortos.

                                                               Osíris, deus dos mortos.

Nut e Geb, deusa do céu e deus da terra.

Ísis, deusa da vida e da fertilidade.

Hórus, deus do sol e da luz.

Seth, deus da magia, protetor contra o mal.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Júpiter Em Leão

, em Natal - RN, Brazil
Por algum motivo, Júpiter em Leão provavelmente, não é raro algum homem me adicionar no Facebook. Adicionam cheios de segundas intenções obviamente. Bonitos homens que chegam com conversas mansas, perguntando sobre minha vida, minhas preferências e minhas ideias. Por acaso, são realmente homens interessantes. Não todos, mas a maioria. Em um mês, por exemplo, teve um de nome francês, corpo de jogador de capoeira, cabelos com dreads e que havia viajado boa parte do mundo e me contava estórias da Nova Zelândia, Bélgica e Filipinas; teve um bancário, de roupa alinhada, sorriso perfeito e barba por fazer, amigo de um amigo, que perguntou tudo sobre mim ao nosso conhecido em comum e o fez ficar torcendo para que eu finalmente desencalhasse; teve um estagiário de direito, magrinho e com um sorriso lindo, imberbe, cujas roupas sociais ficavam grandes demais para ele, menos na mala; e o modelo, lindo!, de cabelo perfeito, sorriso perfeito, rosto perfeito, corpo perfeito, e que ao me encontrar me perguntou: "você me achou mais feio pessoalmente não foi?", e eu fui obrigado a dizer-lhe que, pelo contrário, ele era extremamente mais bonito pessoalmente que nas fotos que eu havia visto.
Sim, eu encontrei com todos eles. Sempre em uma quarta-feira. Meu único dia livre a noite. O primeiro me levou a um bar. Disse que achava que ele ia beber cerveja sozinho, mas que eu estava bebendo e ele já estava ficando tontinho. Conversamos sobre biologia, evolucionismo e criacionismo, sobre tipos de vozes masculinas. E eu sabia que ele não estava interessado por mim no instante que a conversa chegou a este determinado ponto:
- Os fonoaudiólogos dizem que se você não está satisfeito com sua tessitura vocal, (eu dizia) isto é, se você acha a sua voz fina ou grossa demais, é possível mudar. A minha já foi muito mais aguda do que agora, por exemplo.
- E você acha que a sua já está bom? Perguntou o garoto de nome francês.
E eu respondi: - Não, é aguda demais, eu sei, mas não me interessa mudar. Eu aprendi que eu tenho um dom, que nem todo homem pode alcançar as notas que eu consigo, comprometer esta habilidade porque eu não encaixo no fetiche dos viados desta cidade não está nos meus planos.
Ele mudou o assunto para a Dilma e o Aécio, e eu soube ali que não haveria um segundo encontro, apesar de bêbado ele ter mencionado que seria legal me ver cantar.
O bancário, numa outra quarta-feira, me convidou para tomar um açaí. Ele era lindo, não tão lindo quanto o francês, mas eu o encontrei numa lanchonete e comemos falando sobre o mundo gay natalense, sobre meus grupos de corais, sobre os amigos dele e nosso amigo em comum, ele pagou a conta no final com uma cara de culpado. Eu li nos olhos dele o seguinte quando ele pagou a conta: "Eu fiz ele vir até o outro lado da cidade para nada porque nem beijá-lo eu vou, vou pelo menos pagar a conta". E, o que eu achei bem honrado, ele mal esperou nos separarmos para mandar uma mensagem, via Whatsapp, dizendo: "Olha, eu nem sei bem como te dizer isso, mas você é um cara legal e não quero te dar falsas expectativas, mas não rolou química". Eu respondi com um tumbs up e um "de boa". E toquei minha vida.
Com o estagiário eu comi, também numa quarta, um sanduíche em uma lanchonete de rua.  Detesto praças de alimentação de shoppings, só vale a pena se o calor estiver infernal. Conversamos sobre o trabalho dele, ele perguntou sobre o que eu havia estudado, seus olhos brilharam quando eu falei que era doutor, ele perguntou sobre minha dissertação, minha tese e da experiência em Belo Horizonte (eu menti dizendo que tinha adorado tudo e que tinha sido um grande sucesso, para quê falar sobre meus fracassos, não é?). Ao sairmos para ir embora, ele parecia excitado sob a calça, o que confirmou depois pelo Whatsapp, vindo até minha casa dias depois para nos conhecermos ainda melhor, if you know what I mean. Chegou meio bêbado porque havia saído de uma festa com amigos e estava animado. Seu corpo branco e apertado era quente e macio. Mas, apesar de eu ter mantido contato, algumas semanas depois, quando eu enviei uma mensagem novamente o convidando para ele voltar aqui, ele respondeu: "Podemos ver isto sim, algum dia". Ok, né? Nunca mais voltou.
O modelo chegou atrasado quase uma hora quando marcamos. Ele mora longe, é verdade, e pediu mil desculpas dizendo que houve um acidente, implorou para que eu o desculpasse, e porque não né?, era quarta-feira e eu estava em casa sem fazer nada mesmo. Ele veio até perto da minha casa, na verdade, caminhamos juntos e ele falou sobre estudos, sobre planos para o futuro, fez perguntas indiscretas sobre minha situação financeira e quis conhecer minha casa. Eu não resisti. E ele explodiu sobre meu peito duas vezes sem se tocar. Foi lindo de ver. Ele era lindo de ver. Voltou outra vez, não ficou 1 hora comigo, e eu percebi que apesar de toda aquela beleza, ele, estranhamente, tinha muita vergonha do seu corpo, sempre pedindo que eu desligasse as luzes quando ele pretendia se despir. 



domingo, 25 de janeiro de 2015

Spice Your Life

, em Natal - RN, Brazil
Sabemos que o processo homossexual de assumir-se, o famoso sair do armário, pode ser bastante doloroso e traumático para várias pessoas, tanto homens quanto mulheres, seja o processo inicial de aceitar a si mesmo como diferente para a progressão (que se torna inevitável) de assumir-se para amigos, familiares e colegas de trabalho (normalmente nesta ordem). Inevitável porque após assumir-se para si, de forma plenamente satisfatória (sim, porque existem níveis de aceitação de si mesmo) tornar-se normalmente irritante continuar tentando se esquivar dos outros, em determinado momento qualquer um se cansa (o que muda neste processo é somente o tamanho da paciência de cada um). No entanto, para lidar com este processo, com os problemas que esta situação leva cada um a enfrentar, sobretudo o preconceito, os homens gays costumam ter cinco tipos de reações mais comuns. São normalmente processos bastante inconscientes de defesa que eles controem em torno de si para se proteger do mundo que eles consideram, no mínimo, perigoso porque os odeia. Cinco reações são as mais comuns e, coincidência ou não, podemos representá-las pelas cinco Spice Girls.
Se vocês não se lembram, as Spice Girls era um grupo de música pop inglesa, formado por cinco garotas que ffez muito no sucesso no fim da década de 1990. O grupo era formado por Emma Bunton, Geri Halliwell, Melanie B (Brown), Melanie C (Chisholm) e Victoria Adams (depois Beckham). Elas eram também conhecidas por seus apelidos: Emma era a Baby Spice; Geri, Ginger Spice; Mel B, Scary Spice; Mel C, Sporty Spice; e Victoria, Posh Spice. 

1) Baby Spice.

Emma era a mais jovem das Spices. Já muitos homens gays para reagir ao preconceito se comportam de forma infantil. Reagem aos problemas que lidar com sua própria aceitação causaram paralisando a vida deles numa eterna juventude. Irresponsáveis e imaturos, promíscuos também, dedicam suas vidas a noitadas intermináveis, drogas inúteis e bebedeiras homéricas. Não constroem nada, nem projetam nada para o futuro, tudo porque se viram tão privados de todas essas vivências em sua adolescência ou juventude - bloqueados porque temiam serem descobertos - que, tardiamente, precisam viver tudo isso com imenso afã. 

2) Ginger Spice.

Geri era a Spice sexy, e inúmeros homens gays reagem ao preconceito que minou sua autoestima superinflando-a. Eles pensam que todos os querem, que todos os desejam. Eles se consideram os homens mais lindos, mais gostosos, mais bonitos e mais interessantes de todos os lugares que estão. Irresistíveis, todos os homens, sejam eles gays ou heterossexuais, tem que desejá-lo. É uma reação clara de alguém que se sentiu tão inferior que ele se sente forçado a empurrar-se para o outro extremo, quanto mais ele sentir-se superior, quanto mais homens ele ter em sua lista, mas ele terá vencido sua própria história de vida.

3) Scary Spice.

Acredito este ser o tipo mais comum. Mel B, a negra, era a assustadora do grupo e aqui são os homens gays que saem armados todo dia de casa. Eles foram em suas histórias de vida tão agredidos que agora eles estão sempre prontos para uma briga, para um barraco, para o ataque. Também de gestos grandiosos, nada discretos, espalhafatosos, teatrais, eles montaram personagens que são difíceis de conviver porque é difícil assistir uma peça 24 horas por dia. Eles querem, com isso, exatamente afastar as pessoas antes que eles os machuquem. O objetivo aqui é assustar para longe da verdadeira e frágil pessoa que está embaixo da armadura. Tão feridos que foram, tanta luta pelo que já passaram, eles aprenderam a esperar somente o ataque e por isso atacam primeiro, seja em suas roupas, em seus gestos, em suas ações. Eles recusam-se, terminantemente, a ser novamente vítimas.

4) Sporty Spice.

Mel C deveria representar as meninas mais masculinas entre os personagens da banda, entre os gays esta se refere aqueles que mantém fixação com seus corpos. E sei que muita gente vai pensar nas barbies (os garotos malhados que dedicam horas nas academias para esculpir seus corpos), mas eu também incluo neste grupo os ursos (os gordinhos peludos) e os efeminados. Atacados em sua consciência de grupo, renegados por amigos, estes homens procuram um modelo físico que lhes garanta aceitação externa que eles não conseguiram antes ou que achavam não merecer. Desvalorizados, como eles se percebem, acreditam que a aceitação está em achar um modelo cujo qual eles possam reproduzir e, sendo igual aos outros, ele poderão finalmente ser aceitos por algum grupo e finalmente fazer alguns amigos.

5) Posh Spice. 

Victoria, que se tornou esposa de David Beckham, deveria representar as garotas fúteis preocupadas com suas roupas e representa também um grupo extremamente fragilizado em sua autoestima: aqueles que reagiram achando que basta cobrir-se de roupas caras, frequentar os lugares mais caros e mais badalados, conhecer as pessoas dos círculos mais ricos que ele seria recoberto com uma sensação de valor que sua história de vida negou-lhe. Protegidos pelo dinheiro, sobretudo, eles não seriam mais incomodados por aqueles que os faziam se sentir inferiores.


Não estou com isso cavando justificativas para aqueles que tem estes comportamentos, apenas reconhecendo que estes comportamentos são explicados por causa das trajetórias de enfrentamento que ser gay exige. Também, de forma alguma, pretendo dizer que todos os gays passaram por algum destes tipos. Absolutamente. Muitos superam os crimes que foram-lhes cometidos mais rápido, alguns, graças a Deus, nem tem problemas com aceitação de todos os lados, mas eu estou errado em ver estes tipos circulando por ai? Eu com certeza encontrei vários destes tipos pela minha vida, também admito que aqui em Natal, durante muito tempo, eu acreditei que a vibe Posh Spice era a única forma de sobreviver a cidade que eu vivo, mas graças a Deus, o amadurecimento me provou o contrário. E com vocês?

domingo, 18 de janeiro de 2015

Praga de Mãe

, em Natal - RN, Brazil

Na loja, minha mãe atende o telefone. É uma das irmãs dela. Uma das inúmeras tias que eu tenho e que nunca vejo porque meu pai fez questão de nos criar apartados do lado materno da família. Elas conversam sobre os filhos que estão se casando, sobre os netos que vem chegando. Minha mãe só tem netos tortos, isto é, os netos dela são dos filhos do primeiro casamento do meu pai. Ela ainda aguarda ter um neto dos seus próprios filhos.
- Não, ele não 'tá casado não.
Eu presto atenção a partir daqui na conversa.
- Ele 'tá sim aqui comigo. Agora está me ajudando aqui na loja.
Eu percebo que o assunto agora sou eu. E minha mãe não faz questão de esconder.
- Ah, o Foxx é que não vai casar mesmo. Este não casa nunca. 

domingo, 11 de janeiro de 2015

Rotineiramente

, em Natal - RN, Brazil
Noite de segunda-feira, passei o dia no trabalho, na loja da minha mãe, arrumando cabides, limpando o chão por onde os clientes caminhavam, cheguei em casa às 20h e direto ao banho atravessei a casa. Tomei um banho rápido para tirar o suor e a poeira daquela loja que grudam como óleo, fiz um lanche de biscoito e iogurte grego e sentei diante do meu altar. Diante de Buda, Saint Germain e mestre Kuthumi, de Rá, Zeus, Apolo e Têmis, do arcanjo Miguel e Jesus Cristo, e também Palas Athena, Aéolo, Zé de Alagoas e Menininha, sobre uma almofada azul e fiz minhas orações.
Do lado de fora uma cachorra latia alto. Da casa ao lado, na vila em que moro, Vila Paiva, eu ouvia uma televisão ligada no que eu pensava ser alguma novela. Outros vizinhos brigavam, eu não reconhecia as palavras, mas somente um burburinho agressivo chegava até mim. Um liquidificador tocava sua música em algum lugar e meu gato, o Seth, estava ali deitado ao meu lado, alheio a tudo. 
As velas tremulavam a minha frente e eu tentava concentrar-me no fogo para visualizar a luz divina preenchendo meu corpo. Fiz meu ritual diário, que sempre faço a hora em que eu nasci, 23:30h, mais cedo porque o sono já me consumia. Terminei-o apenas para me jogar na cama e encerrar o dia aplicando reiki em mim e enviando para aqueles que já me pediram. Adormeci rápido e em exatas 12 horas eu já estava novamente de pé.
Era terça-feira, dia de trabalho, cheguei cedo a loja, para arrumar as bermudas nos cabides das araras, limpar o chão por onde os clientes caminham e...